Viagem a Odivelas…

No recolhimento do Mosteiro de Odivelas nasce uma receita que se distingue das demais, não só pelo afamado sabor, mas sobretudo pela cor, a cor branca da Marmelada de Odivelas. Famosas pela doçaria que praticavam, na abundância dos ingredientes que nunca faltavam, as freiras bernardas da Ordem de Cister para sempre ficaram na memória do gosto pela sua doce marmelada.

Oferecida aos convidados e aos visitadores que frequentavam os outeiros ou comercializada na roda, certo é que esta marmelada ganhou reputação tornando-se motivo de ida ao Mosteiro. Esta doce relíquia era, por isso, sobremesa apetecida, desejada e consentida de paladares reais e nobres, tornando-se, no rol dos doces ali produzidos, num dos que maior procura tinha.

Fruto de um saber-fazer iniciado pelas freiras bernardas da Ordem de Cister, somente após a morte da última religiosa foi possível conhecer o segredo da marmelada produzida no Mosteiro de Odivelas. No âmbito da doçaria conventual portuguesa, a que era praticada naquele mosteiro ficou para a o conhecimento das gerações futuras pelo caderno de receitas que a última monja deixou a uma sua afilhada. Entre tantas outras receitas, lá está a marmelada branca. Diz quem sabe que em qualquer mosteiro se fazia marmelada, no entanto, de cor branca somente no Mosteiro de Odivelas.

E o segredo, ainda hoje, permanece nas mãos de quem sabe o valor cultural e histórico de tão doce produto. Ou seja, somente quem reverencia esta receita e a trata com desvelo pode conseguir um resultado genuíno e singular. Interessante é notar que, mesmo após secularização da receita através da sua prática fora do mosteiro, nunca a mesma se evadiu para fora dos limites do concelho. Às vezes, a gastronomia, a par de outros elementos, também faz a história de um povo e Odivelas fica marcada pela importância desta receita.

Crédito da foto: Confraria da Marmelada de Odivelas

Confraria da Marmelada de Odivelas

Porque a marmelada branca revela a força da genuinidade e da singularidade, um grupo de admiradores desta receita cria, em Novembro de 2009, a Confraria da Marmelada de Odivelas. Sendo a marmelada o ponto de partida, não deixou esta Confraria de ter como objetivo a valorização do património histórico, social e cultural do Mosteiro mandado construir por D. Dinis em 1295.

Preservar o passado…

Dotado de uma história muito rica com íntimas relações com alguns monarcas de Portugal, este Mosteiro alberga histórias, lendas, factos, que se confundem com a história nacional. E a Confraria de Odivelas tem demonstrado um grande cuidado na preservação dessa memória ao lembrar as histórias, ao procurar a informação genuína e histórica, ao promover um maior conhecimento daquele espaço monástico. Soberba a roda da Portaria, é mostrada com orgulho de quem sabe que por ali se contam também muitas histórias.

Pensar no futuro

Mas os Confrades de Odivelas não centram a sua atenção apenas no passado. É certo que a antiguidade da receita obriga a um contínuo revolver do passado pois nunca está tudo escrito e totalmente documentado, no entanto, os confrades querem assegurar o futuro da marmelada branca com prosperidade.

Por isso, em atividades contínuas promovem a doçaria conventual associada ao Mosteiro e incentivam os produtores e doceiros a manter a qualidade da mesma. Do mesmo modo, estimulam o aparecimento de novos produtores que possam continuar a boa reputação da marmelada branca. É o futuro que se empreende e é o passado que se protege com tão profícua ação.

Falar de tão belo e imponente mosteiro seria subtrair importância à verdadeira protagonista desta história, contudo, há que falar que, para além da lenda, Maria Máxima Vaz, confrade desta confraria, refere que a sua construção se fez para acolher a filha natural de D. Dinis, D. Maria Afonso. Certo é que aquela repousa na Capela Mor do Mosteiro percebendo-se, assim, a importância da sua presença naquele espaço. Também o Rei D. Dinis ali repousa dando maior relevo histórico ao Mosteiro. Monumento nacional desde 1910, é uma presença no Concelho de Odivelas e uma das suas maiores referências arquitetónicas e históricas sendo obrigatória a sua visita.

A Marmelada Branca

Como na maioria da doçaria conventual portuguesa, é a partir de ingredientes simples que as freiras bernardas da Ordem de Cister faziam a marmelada branca. Açúcar, água e marmelo são a base da produção deste doce sabor e é isso que se depreende da receita manuscrita pela última religiosa. “Vão-se esburgando os marmelos e deitando-os em água fria. Põe-se a ferver em lume brando, estando bem cozidos se passam por uma peneira. Para 1kg de massa 2kg de açúcar em ponto alto de sorte que deitando uma pinga n’agua coalhe; tira-se o tacho do lume e se lhe deita a massa muito bem desfeita com a colher, torna ao lume até levantar empolas. Tira-se para fora e se bate até esfriar, para se pôr em pratos a secar”.

É claro que a receita manuscrita não explica tudo e, por isso, o segredo mantém-se nas mãos laboriosas que ainda hoje fazem uma marmelada de cor clara e de consistência menos dura onde é possível trincar o marmelo.

Artigo publicado na Revista Tabu (Semanário Sol) – 2015

Partilhe nas redes:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!